O que faço se a criança não quer meditar?

Esta é uma dúvida frequente e que merece a nossa atenção.

Quando o adulto quer ensinar a criança a meditar, ele deve ter em vista que, o que ele pode fazer é conduzir um processo e facilitar a aprendizagem da criança, tendo como base seu conhecimento e sua prática regular pessoal de meditação.

Meditação é um processo que envolve autoconsciência e escolha, por isso, deve-se sempre convidar a criança a praticar de maneira lúdica e atrativa. Nunca deve-se obrigar ou usar a meditação como punição ou castigo.

Ok, Entendi! Mas, gostaria que meu filho(a) tivesse uma prática diária. O que fazer?

Para a maioria dos adultos adotar uma nova prática diária requer muita disciplina e esforço, imagine para uma criança! Assim, sugiro que você pratique diariamente, convidando a criança para participar, mas se ela não quiser, seja o exemplo e continue a sua prática. Calibre as suas expectativas em relação à criança e dê preferência a adotar uma prática regular com ela, por exemplo, uma ou duas vezes na semana. Isso pode facilitar e tornar o momento da prática de meditação mais divertida e gostosa para todos. Procure tornar a meditação como um momento especial de conexão consigo e com a criança.

Utilize recursos lúdicos com as crianças menores ou jogos atencionais com as maiores. Já com os adolescentes, busque fazer a ponte entre a aplicação prática da meditação com as questões da vida cotidiana. 

E, por fim, que tal adicionar uma prática de gratidão em família?

Estas são maneiras de tornar mais atrativa a prática da meditação!



VOLTAR PARA O BLOG